Leia vários depoimentos de pacientes que venceram a luta contra o cancer!
 
 
 
 
 
 
 

O Homem Que Questiona Quimioterapia: Dr. Ralph Moss

Sobre o Dr. Moss

Dr. Ralph Moss escreveu o livro, Questionando Quimioterapia, que documenta a ineficácia da quimioterapia no tratamento da maioria dos cânceres. Em 19 de Novembro de 1977, ele foi demitido por dizer ao público a verdade. Numa conferência de imprensa em 18 de Novembro, ele e o grupo Segunda Opinião divulgaram um relatório de 48 páginas bem documentado, que declarou que os altos funcionários do Centro de Câncer Memorial Sloan-Kettering tinha mentido sobre os resultados de um estudo realizado no Centro a respeito de "Laetrile" (um tratamento natural alternativo de câncer).

Dr. Moss ganhou credibilidade por escrever 8 livros, incluindo o seu mais recente trabalho, Terapia de Câncer: O Guia do Consumidor Independente para Tratamentos Não-Tóxicos. Ele também escreveu A Indústria do Câncer, um trabalho de investigação documentado ilustrando a enorme corrupção financeira e política no "estabelecimento do câncer." Ele indica que as forças motivadoras em pesquisa e tratamento do câncer muitas vezes são poder e dinheiro, e não a cura de pacientes com câncer. Ele também escreve, As Crônicas de Câncer, um boletim informando sobre novos tratamentos para câncer e medidas preventivas.

Exceções a Quimioterapia

O trabalho do Dr. Moss documenta a ineficácia da quimioterapia na maioria dos tipos de câncer. No entanto, ele é justo em apontar que existem as seguintes exceções: Leucemia Linfocítica Aguda, doença de Hodgkin e câncer testicular não-seminomatoso.

Além disso, algumas formas raras de câncer, incluindo coriocarcinoma, tumor de Wilm, e retinoblastoma. Mas todas estas representam apenas 2% a 4% de todos os canceres que ocorrem nos Estados Unidos. Isto deixa cerca de 96% a 98% de outros canceres, em que a quimioterapia não elimina a doença. A grande maioria dos cânceres, como o de mama, cólon e câncer de pulmão quase não são atingidos pela quimioterapia. No entanto, existe uma outra categoria na qual a quimioterapia tem um efeito relativamente menor --- Os mais "bem sucedido" destes é cancer do ovário na Fase 3, no qual a quimioterapia parece prolongar a vida útil por talvez 18 meses, e em cancer do pulmão de células pequenas no qual a quimioterapia talvez possa oferecer mais seis meses.

Tratamento eficaz do cancer é uma questão de definição. O FDA define uma droga “eficaz”, como aquela que atinge uma redução de 50% ou mais do tamanho do tumor durante 28 dias. Na grande maioria dos casos não há absolutamente nenhuma correlação entre tumores encolhendo por 28 dias e a cura do câncer ou a extensão de vida.

Quando o paciente com câncer ouve o médico dizer “eficaz”, ele ou ela pensa e, logicamente, assim, que “eficaz” significa que cura câncer. Mas tudo o que significa é redução temporária do tumor.

A quimioterapia geralmente não cura o câncer ou prolonga a vida, e realmente não melhora a qualidade de vida também.

Entretando os médicos frequentemente fazem esta reivindicação. Existem milhares de estudos que foram revisados pelo Dr. Moss como parte da pesquisa para o seu livro -- e não há um único bom estudo documentar esta afirmação.

O que os pacientes consideram "boa qualidade de vida" parece diferir do que os médicos consideram. Para a maioria é apenas o senso comum de que uma droga que faz você vomitar e perder o seu cabelo, e destrói o seu sistema imunológico não irá melhorando a sua qualidade de vida. Quimioterapia pode lhe dar feridas na boca que aumentam o seu risco de vida. As pessoas podem desprendem o revestimento do intestino inteiro! Um dos efeitos a longo prazo é particularmente trágico: as pessoas que tiveram a quimioterapia já não respondem às abordagens nutricionais ou baseadas no sistema imunológico para seus cânceres. E uma vez que a quimioterapia já não cura de 96% a 98% dos tipos de cânceres... As pessoas que tomam quimioterapia, infelizmente, perderam a chance de encontrar outro tipo de cura.

É especialmente significativo que em várias pesquisas a maioria dos quimoterapeutas disseram que não tomariam a quimioterapia se recomendariam elas para suas famílias. As drogas da quimioterapia são as substâncias mais tóxicas já colocadas deliberadamente no corpo humano. Elas são conhecidos venenos, elas são venenos projetados.

Origem da Quimioterapia

A coisa toda começou com experimentos com “gás mostarda”, os horríveis agentes-químicos de guerra da Primeira Guerra Mundial.

A posição do Dr. Moss sobre a quimioterapia é apoiada por muitos alunos principais do estudo do tratamento do câncer. Seguem alguns exemplos: Dr. John Bailar é o chefe de epidemiologia na Universidade McGill, em Montreal, e foi formalmente o editor do Jornal do Instituto Nacional de Cancer. Em 1986, o Jornal de Medicina da Nova Inglaterra publicou um artigo do Dr. Bailer e Dra. Elaine Smith, uma colega da Universidade de Iowa. Bailer e Smith escreveram:

“Cerca de 35 anos de esforços intensos e crescentes para melhorar o tratamento do câncer realmente não tiveram um grande efeito global sobre a medida mais fundamental da evolução clínica - a morte. O esforço para controlar o câncer não conseguiu, até agora, obter seus objetivos.”

Dr. John Cairns, professor de microbiologia na Universidade de Harvard, publicou sua opinião na revista Scientific American em 1985:

“que basicamente a guerra contra o câncer foi um fracasso e que a quimioterapia não estava indo muito longe com a grande maioria dos tipos de câncer.”

Já em 1975, Nobel premiado James Watson com sua fama com o DNA foi citado no New York Times dizendo que o público norte-americano havia sido "vendido uma desagradável conta de mercadorias sobre o câncer."

Em 1991, o Dr. Albert Braverman, Professor de Hematologia e Oncologia da Universidade Estadual de Nova Iorque, Brooklyn, publicou um artigo no Lancet intitulado "Oncologia Médica na década de 1990", no qual ele escreveu:

“Chegou a hora de cortar na investigação clínica de novos regimes de quimioterapia para o câncer e para lançar um olhar crítico sobre a forma como o tratamento quimioterápico agora está sendo administrado.”

Dr. Braverman diz que não há nenhum tumor sólido incurável em 1976, que hoje é curável. Dr. Moss confirma isso e afirma que o maior avanço no estudo objetivo da quimioterapia veio de um bioestatístico da Universidade de Heidelberg, Dr. Ulrich Abel. Sua crítica se focalizou em se a quimioterapia efetivamente prolongou a sobrevivência em cancer epitelial avançado. Sua resposta foi que não foi eficaz. Ele resumiu e estendeu suas descobertas e concluiu que a quimioterapia em geral é ineficaz. Uma recente pesquisa mostrou exatamente zero opiniões de seu trabalho em revistas americanas, apesar de ter sido publicada em 1990. A crença é de que isto não é porque seu trabalho não foi importante -- mas porque é irrefutável.

Com a extensa documentação no livro do Dr. Moss, e todas as estatísticas desenvolvidas pelos peritos, porque que então a quimioterapia ainda é empurrada pela grande maioria dos oncologistas? Dr. Moss sente que "há um conflito tremendo acontecendo na mente dos oncologistas honestos, sensíveis e atenciosos." Eles estão em uma posição muito difícil, porque eles foram treinados para dar essas drogas. E eles dedicaram muitos anos para chegar a um nível muito elevado de especialização no conhecimento de compostos tóxicos, mortais. Eles estão realmente em apuros, porque eles entraram em oncologia para ajudar o paciente com câncer, mas as ferramentas que lhes foram dados não funcionam. E eles vêem o que acontece aos médicos que “saem da linha” e tratam o câncer com meios alternativos.

Incursões armadas, perda de licenciatura, manchas profissionais e ostracismo são algumas das consequências. Estas consequencias poderiam todas estar relacionadas de acordo com a citação no livro feita pelo Dr. Lundberg, editor do Journal da Associação Médica Americana. Em uma reunião recente do Instituto Nacional de Saúde, ele disse sobre a quimioterapia:

"[É] uma oportunidade maravilhosa para enganar desenfreados. Tanto dinheiro há para ser feito que princípios éticos podem ser invadidos por vezes, em uma corrida para obter médicos e prescritores." Você nunca ouviu falar sobre isso nos noticiários da noite.

A Indústria do Tratamento de Cancer

A economia do tratamento do câncer é surpreendente. O tratamento do câncer custa cerca de US$ 100 bilhões por ano (100.000 milhões de dólares americanos). A parte de quimioterapia disto em 1995, será de até US$ 8,5 bilhões. Olhando por outro ângulo: A empresa Bristol Myers detém patentes sobre 12 dos cerca de 40 medicamentos quimioterápicos “FDA-aprovados”. O presidente, o ex-presidente, o presidente do conselho, e uns dois dos diretores da Bristol Myers todos ocupam cargos no conselho no Centro de Câncer Memorial Sloan-Kettering.

O livro do Dr. Moss detalha os fracassos e sucessos (muito poucos) da quimioterapia com mais de 50 tipos de câncer, inclui uma descrição completa das drogas de quimioterapia principais, e tem uma seção sobre perguntas a fazer ao seu médico.

Estamos obviamente perdendo terreno com o tratamento convencional do câncer, porque as taxas de mortalidade continuam crescendo. A razão para isto é porque o tratamento convencional baseia-se numa norma com defeito: Que o corpo deve ser purgado de cancer por meio de métodos agressivos e tóxicos, tais como quimioterapia, cirurgia e terapia de radiação. Isso, é claro, parecia razoável por volta em 1894, quando William Halsted, MD fez a primeira mastectomia radical, mas provou estar tão errado ao longo dos últimos 50 anos que continuar a aderir a isto constitui mais fraude do que erro honesto. No entanto, esta norma ainda domina a terapia convencional do câncer, e até que isso mude, vamos continuar a perder terreno com câncer.

Dr. Whitaker, um crente firme no trabalho do Dr. Moss e terapias alternativas de câncer repassa alguns dos seus pontos de vista pessoais:

As estatísticas não contam a verdadeira história

O que se perde na estatística sem emoção de 500.000 mortes por câncer por ano é como essas pessoas morreram. Dr. Whitaker continua e diz mais sobre o tratamento do câncer:

"Na minha opinião, a terapia convencional do câncer é tão tóxica e desumana que temo-la muito mais do que eu temo a morte de câncer. Sabemos que a terapia convencional não funciona -- se funcionasse, você não teria medo de câncer mais do que você tem medo pneumonia. É a total falta de certeza quanto ao resultado do tratamento convencional que praticamente grita por mais liberdade de escolha na área da terapia do câncer. Ainda mais as chamadas terapias alternativas, independentemente do potencial ou benefício comprovado, são proibidas, o que obriga os pacientes a se submeter as falhas que sabemos que não funcionam, porque não há outra escolha."

Sistemas de Crenças Pessoais Determina as Escolhas que Você Faz

Já que o tratamento do câncer é uma questão tão sensível, eu preciso definir algumas regras básicas antes de eu dizer o que eu faria se eu tivesse câncer. O que se segue é o que eu pessoalmente faria. Isto não é uma recomendação para você, e não deve ser considerada como tal. Nem é ainda o que a minha esposa iria fazer (como o que seria a decisão dela), nem é o que meu filho faria (que seria a decisão conjunta de minha esposa e eu). As escolhas a serem feitas no tratamento do cancer não são fáceis, porque existe pouco certeza de cura em qualquer delas. O curso que alguém escolhe a tomar é muito pessoal, e reflete não só o conhecimento das opções da pessoa, mas também seus/ suas crenças.

Ainda, porque estamos fortemente influenciados pelo nosso medo natural da morte, nos alinhamos assim para a terapia convencional do câncer, não tanto acreditando que ela irá funcionar, mas na esperança de que ela não irá falhar. Procedimentos debilitantes para eliminar as cicatrizes da acne, por exemplo, se tendo a mesma taxa de falha como o tratamento do cancer, iriam ser abandonados se muito caros. É apenas porque o câncer é muitas vezes fatal que as abordagens convencionais não foram abandonados há muito tempo. Continuamos a usa-las não porque elss funcionam, mas porque aqueles que as administram de forma tão vigorosa eliminaram qualquer outra escolha.

 
 

Meu Cenário Imaginário de Câncer
(pelo Dr. Whitaker)

Embora eu iria abordar o meu próprio dilema com a esperança de cura total, eu seria o primeiro a admitir que, independentemente do curso que eu seguisse, as chances disso são pequenas. Consequentemente, as minhas escolhas de tratamento do câncer são uma mistura de ciência e filosofia. Elas são tanto um reflexo de como eu iria lutar pela sobrevivência, como de como eu gostaria de morrer se a luta falhasse. Para os fins desta discussão, vamos supor que eu tenha acabado de ser diagnosticado com câncer de pulmão, e um particularmente violento. (Por favor, entenda que eu não tem câncer, nem eu se quer fumo.) Antes de listar o que eu faria e por que, deixe-me dizer o que eu não faria, e por que.

O que eu não faria, e por que:

1. Eu Não Aceitaria um Papel Passivo

Se eu vou lutar por minha vida, eu quero fazer exatamente isso. Estou sempre perplexo com as notícias de algumas celebridades, dopado ate as brânquias com venenos horrendos, “corajosamente lutando pela sua vida.” O que isso significa? A celebridade, que simplesmente aceita a terapia convencional do câncer, não é mais “corajosa” que um rato de laboratório. Isso não quer dizer que o que a celebridade está fazendo é errado, só que ele é o oposto de um ato intencional de coragem.

Tomar um papel passivo com a terapia convencional de hoje é terrivelmente perigoso. Recentemente Jackie Kennedy, depois de uma “luta corajosa”, se cedeu ao linfoma não-Hodgkin -- ou ela se cedeu mesmo? Sua morte precoce, atribuída ao câncer, foi um choque para especialistas em câncer em todo o mundo, e trouxe a seu questionada a verdadeira causa de sua morte. Ela tinha sido dada um protocolo, não comprovado, de quimioterapia de dose muito alta. As drogas em si poderiam facilmente ter causado sua morte -- e isso não seria incomum. Há inúmeros casos de mortes iatrogênicas (médico-induzida) por quimioterapia.

2. Eu Ativamente Lutaria pela Minha Vida

Por outro lado, o paciente com câncer que diz: “não, obrigado” à quimioterapia recomendada por grandes centros de tratamento de câncer, e viaja para as ilhas do Bahamas para receber terapia imune-aumentativa (IAT), ou para Houston, Texas, para receber antineoplastons com o Dr. Stanislaw Burzynski, ou que dirige à biblioteca pública para fazer um plano de batalha, é um paciente que começou a luta e está agindo com coragem.

Seja se eu ganhar ou perder, este é o curso que eu iria tomar. O que eu tenho a perder? O tratamento convencional é tóxico e simplesmente não funciona, por isso gostaria de jogar com algo seguro que possa funcionar, e amigos, saiba que existem uma série de abordagens que se encaixam nessa descrição. Eu também acredito que pacientes que procuram as terapias alternativas são muito mais otimistas. Eles têm apenas uma preocupação -- o câncer -- não o câncer e a terapia!

E Agora. Aqui está o que eu faria
(pelo Dr. Whitaker)

1. Eu viraria minhas costas nestes 50 anos de experiência institucionalizada, porque segue o paradigma errado.

Tudo o que é feito em medicina ou em qualquer outra disciplina se encaixa em algum paradigma. O paradigma que eu uso para o câncer é que é um problema sistêmico, em que os mecanismos normais de controle do seu corpo são alterados. Seu sistema imunológico provavelmente tem o maior peso para este controle, assim, todas as técnicas que o valorizam são promissoras. Aquelas que o danificam não são.

2. Eu imediatamente mudaria a minha dieta

Eu mudaria para uma dieta principalmente vegetariana.

3. Em seguida, eu realçaria este programa básico com suplementos naturais

Em adição a dieta eu também tomaria suplementos nutricionais. Estes suplementos incluem fito-químicos, antioxidantes, vitaminas e minerais necessários para uma boa saúde. Alguns deles incluem:

Vitamina C
10.000 mg por dia em doses divididas. Ewan Cameron, um médico escocês, fez um estudo em que 100 pacientes com câncer foram dados 10.000 mg de vitamina C para o resto de suas vidas, enquanto pacientes do grupo controle não foram. Os pacientes em vitamina C viveram muito mais tempo do que os outros de mesma idade. A Clínica Mayo fez dois estudos sobre a vitamina C, e em ambos os estudos descobriram que a vitamina C não ajuda. No entanto, ambos os estudos foram criados de uma maneira que quase garantia fracasso. Francamente, eu acho que isso foi feito intencionalmente para gerar publicidade negativa para esta abordagem não-tóxica.

Coenzima Q10 (CoQ10)
Usada como uma terapia eficaz na insuficiência cardíaca congestiva, CoQ10 só recentemente foi estudada como um tratamento do cancer. Pacientes com cancer têm sido encontrados a possuir deficiências de CoQ10. Os ensaios clínicos em câncer de mama, não resultou em metástases adicionais, melhoria da qualidade de vida (sem perda de peso e menos dor), e remissão parcial em seis dos 32 pacientes.

Chá Essiac
60ml 3 vezes ao dia. Esta mistura de quatro ervas (raiz de bardana, ovelha alazão, olmo e raiz de ruibarbo indiano) tem sua gênese no folclore nativo americano medicinal. Desde que foi "descoberta" pela enfermeira canadense René Caisse na década de 1920, milhares de pessoas afirmaram ter tido seus cânceres curados por este chá. Eu tomaria esta chá.

4. Eu continaria estudando sobre terapias naturais

Finalmente, você deve saber que se eu estivesse lutando contra o câncer -- ou qualquer doença grave realmente, eu estaria em uma busca constante de terapias efetivas não tóxicas.

Esta não é certamente minha palavra final sobre o tratamento do câncer, porque ela muda conforme nova pesquisa é feita. Quero dizer mais uma vez que o que eu iria fazer não é uma recomendação para você. No entanto, não é uma crença sensata acreditar que especialistas em câncer convencionais oferecem as melhores abordagens para a maioria dos tipos de câncer. Há simplesmente muito evidência para o contrário. Um destes dias talvez, pode não haver a necessidade de abordagens “alternativas” para o câncer. Até então, procure as respostas para o enigma do câncer no campo crescente de terapias alternativas, porque elas não estão, obviamente, presentes em nosso arsenal de terapias convencionais.

Notas do nosso site: Nosso site fornece uma grande quantidade de informações sobre as terapias naturais do cancer. Importamos as melhores vitaminas e oferecemos materias educativos (livros e DVD) para que você possa aprender rapidamente o dia a dia da dieta e terapias caseiras anti-cancer.

 

Kit Caseiro do Protocolo Natural Anti-Cancer

Lutando contra o câncer? NÃO perca tempo! A dieta errada está alimentando o cancer! clique aqui

Aprenda sua dieta e terapias caseiras anti-cancer em formato passo à passo.

 
 

Obtenha seus suplementos dos EUA aqui:

 
 

INICIE HOJE MESMO! Com o DVD você aprenderá sua dieta anti-cancer em menos de 1 hora.

 
 
Cadastre-se na nossa Newsletter e receba grátis "O que as Indústrias do Cancer não querem que você saiba!"

Newsletter

* indicates required

Após cadastrar confirme seu email e receba seu e-book imediatamente. E não se preocupe, você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento!

 
 
 
 

AVISO LEGAL: Todas informações neste site não devem ser consideradas como aconselhamento médico. As informações e os produtos neste site devem ser utilizadas para complementar os tratamentos que lhe foram dados pelo seu médico, e não substituí-los. Consulte sempre seu médico antes de iniciar qualquer programa de dieta ou suplemento. Nosso objetivo é lhe fornecer as melhores informações, produtos e suplementos naturais dietéticos.